Shelby GT 500 1967

Autor: 
Editores do Consumer Guide

Uma mistura de carro esporte e muscle car (carro musculoso, muito potente), o Shelby GT 500 1967 conseguiu satisfazer a exigência crescente por alto desempenho.

O GT 500 representou uma mudança de rumo de Carroll Shelby, preparador de carros Ford. Para tornar os Mustang 1965-1966 em campeões das pistas, Shelby os transformou em puro-sangues estrondosos, pouco indicados para o uso no dia-a-dia. Em 1967, no entanto, o público de Shelby começou a exigir mais civilidade, e o pequeno carro original (um pony car) sofreu uma transformação que finalmente deu lugar a um motor bloco-grande de alta potência.

1967 Shelby GT 500
2007 Publications International, Ltda.
O Shelby GT 500 1967 foi o primeiro Mustang de rua
com o motor V8 de 428 pol³ (ou 7 l) da Ford

Com a apresentação dos modelos de 1967, os Mustangs padrão poderiam sair de fábrica equipados com um motor V8 de 390 pol³ (6,4 l), 324 cv de potência (SAE bruta, como todas neste artigo, padrão usado nos EUA até 1971, quando passou a SAE líquida) e carburador de 4 corpos. O Shelby, naturalmente, foi além. O GT 350 manteve seu V8 de 289 pol³ (4,7 l) e potência de 310 cv. E um novo modelo, o Shelby GT 500 1967, ganhou um motor "interceptador de polícia" melhorado de 428 pol³ (7 l).

Os motores de 7 l eram reservados para modelos maiores da Ford e tinham uma potência de 350 cv. Shelby adicionou um coletor de admissão de médio comprimento, feito de alumínio fundido, do Ford 427, dois carburadores quádruplos Holley de 600 cfm (metros cúbicos por minuto, ou 17 m³/min) e outras modificações para obter uma potência conservadora de 360 cv. Na linha de produção ou nas concessionárias, alguns Shelby GT 500 1967 foram equipados com um motor Ford V8 de 427 pol³ (7 l) que era praticamente de competição.

1967 Shelby GT 500
2007 Publications International, Ltda.
A tampa do filtro de ar e as tampas dos comandos de válvulas em alumínio enfeitavam o motor 7.0 com dois carburadores quádruplos do Shelby GT

O GT 500 1967 tinha um câmbio manual de 4 marchas ou um automático de 3, com a relação de diferencial variando de 3,50:1 a 4,11:1. Em vez  suspensão de competição, a do Shelby era uma versão reforçada daquela utilizada no Mustang GT, com freios a disco dianteiros e pneus E70 de 15", ambos de série. O interior com 2 bancos e cintos de segurança do tipo usado em competições, do GT 350 original, foi abandonado.

Todos os Shelbys GT 500 de 1967 tinham acabamento interno do mesmo nível do Mustang GT; ar-condicionado e direção hidráulica eram os novos opcionais de fábrica. O contagiros de 8.000 rpm, o velocímetro de 140 mph  (225 km/h) e o arco de reforço acolchoado, no entanto, permaneceram como itens de série do Shelby.

1967 Shelby GT 500
2007 Publications International, Ltda.
Shelby instalou suas peças de plástico reforçado com fibra de vidro, incluindo o capô, as tomadas de ar funcionais, painéis dianteiros e traseiros  e adaptou luzes direcionais seqüenciais; as faixas duplas eram opcionais aplicados em concessionárias

Sempre procurando aumentar o desempenho, Shelby equipou os GT 500s com peças de plástico reforçado com fibra de vidro (FRP) na carroceria, inclusive o nariz alongado, o capô com tomadas de ar funcionais e 4 entradas de ar laterais. A traseira em FRP tinha um defletor moldado, e as lâmpadas de seta seqüenciais foram tomadas emprestadas do Mercury Cougar. Faróis de longo alcance foram colocados no centro da grade (alguns foram instalados mais lateralmente para se adequar às leis estaduais). As faixas duplas "Le Mans" eram opcionais oferecidos pelas concessionárias para qualquer Shelby GT 500 1967.

Se os Shelby Mustangs haviam se tornado menos carros de corrida e mais máquinas de grã-turismo, isso foi ótimo para os compradores, que gostaram logo de cara do novo Shelby. O Shelby GT 500 1967 custava apenas US$200 a mais que o GT 350 e vendeu com facilidade 875 unidades a mais que seu companheiro com motor de bloco pequeno.

O Shelby GT 500 1967

Especificações
Distância entre eixos, metros: 2,743
Peso, kg: 1.350
Número de unidades fabricadas: 2.050
Preço base: US$ 4.195

Motor padrão
Tipo: V8 ohv (válvulas no cabeçote)
Cilindrada, pol³: 428 (7 l)
Alimentação: 2 carburadores de 4 corpos.
Taxa de compressão: 10.5:1
Potência: 360 cv a 5.400 rpm
Torque: 58 mkgf a 3.200 rpm

Aceleração
0 a 96 km/h: 6,2 s
0 a 400 m: 14,6 s, a 159,3 km/h

Voltar à Biblioteca de Muscle cars clássicos (em inglês).

Para obter mais informações legais sobre muscle cars, confira:

  • Algumas das máquinas de melhor desempenho geral já produzidas foram os Muscle cars da Ford. Veja artigos, fotos e especificações dos muscle cars da Ford.
  • Os muscle cars tiveram muitos modelos. Veja aqui as características de muscle cars, incluindo fotos e especificações de cada modelo.
  • Os muscle cars criaram um cultura própria. Para saber mais a respeito, leia Como funcionam os muscle cars.

Esses perfis sobre muscle cars incluem fotos e especificações de cada modelo:

  • O Pontiac Ventura 389 1961 era um dos muscle cars mais estilosos.
  • Os Fastbacks não eram novidade, mas nenhum deles era mais rápido do que o Dodge Charger 426 Hemi de 1966.
  • O Plymouth 426 Wedge 1963 vinha com avisos para não ser usado em vias públicas.
  • Qualquer Chevelle 1971 podia usar a marca de Super Sport, mas somente o Chevrolet Chevelle SS 454 de 1971 (em inglês) ganhou o direito de mostrar também o tamanho de seu motor.

Para obter informações relacionadas a carros, consulte estes artigos: