Como funcionam os velocímetros

Autor: 
William Harris

O conjunto de instrumentos do painel do carro organiza uma variedade de sensores e medidores, incluindo o medidor de pressão do óleo, medidor da temperatura de refrigeração, medidor do nível de combustível, tacômetro e outros. Mas o medidor que mais se sobressai - e talvez o mais importante, pelo menos em relação à quantidade de vezes que você olha para ele enquanto está dirigindo - é o velocímetro. O trabalho do velocímetro é indicar a velocidade do carro em milhas por hora, quilômetros por hora ou ambos. Mesmo nos modelos de carros mais novos, é um dispositivo analógico que utiliza uma agulha para indicar uma velocidade específica, que o motorista lê como um número marcado no mostrador.

velocímetro
Foto cedida por Dreamstime
Um velocímetro moderno

Assim como acontece com qualquer tecnologia nova, os primeiros velocímetros eram caros e disponíveis somente como uma alternativa. Somente após 1910 que os fabricantes de automóveis passaram a incluir o velocímetro como equipamento padrão. Um dos primeiros fornecedores de velocímetros foi o OSA (Otto Schulze Autometer), uma herança da Siemens VDO Automotive AG, um dos principais desenvolvedores de conjuntos de instrumentos modernos. O primeiro velocímetro OSA foi criado em 1923, e seu design básico não sofreu muitas mudanças em 60 anos. Nesse artigo, conheceremos a história dos velocímetros, como eles funcionam e o que o futuro reserva para eles.

Tipos de velocímetros

antigo e novo velocímetro
Foto cedida por Siemens VDO Automotive
O velocímetro passou por
várias mudanças no século passado

Existem dois tipos de velocímetros: eletrônico e mecânico. Em virtude de o velocímetro eletrônico ser uma invenção relativamente nova - ele não existia até 1993 - esse artigo focará principalmente o velocímetro mecânico, ou o velocímetro de corrente de Foucault.

O inventor Otto Schulze, de Estrasburgo, registrou a primeira patente do velocímetro de corrente de Foucault em 1902. Schulze imaginou o dispositivo revolucionário como solução para um problema cada vez maior. Os carros não apenas estavam se tornando mais populares, como também viajavam a uma velocidade maior. A velocidade máxima média do automóvel logo após a virada do século XX era de 48km/h, reduzida para os padrões atuais, mas muito rápida para uma época em que a maioria das pessoas no mundo deslocava-se a passos lentos de uma carruagem puxada por cavalos. Como resultado, o número de acidentes sérios começou a crescer drasticamente.

A invenção de Schulze permitiu que os motoristas vissem exatamente a velocidade com que estavam viajando e fizessem os ajustes necessários. Ao mesmo tempo, muitos países estabeleceram limites de velocidade e passaram a usar policiais para reforçá-los. As primeiras soluções exigiam que os automóveis tivessem velocímetros com dois indicadores - um pequeno para o motorista e um maior para que a polícia pudesse ler a uma certa distância.

Medidor em qualquer lugar
Os velocímetros geralmente são combinados com hodômetros e hodômetros auxiliares. Um hodômetro registra a distância total percorrida por um veículo. Os hodômetros auxiliares também medem a distância percorrida, porém, podem ser zerados pelo motorista. Os fabricantes normalmente projetam os velocímetros mecânicos para que 1.000 revoluções do eixo flexível registrem 1,6km no hodômetro. Para obter mais informações sobre hodômetros, veja Como funcionam os hodômetros. Os tacômetros são semelhantes aos velocímetros, pois medem a velocidade angular de um eixo giratório. Os tacômetros refletem a velocidade do motor, que significa que estão medindo a velocidade rotacional do virabrequim. Eles indicam a velocidade do motor em revoluções por minuto, ou rpm.

Na próxima seção, veremos as partes de um velocímetro de corrente de Foucault.