Como funcionam os números de identificação dos carros nos EUA

Autor: 
Ed Grabianowski

Os Números de Identificação de Veículos (VINs) são seqüências exclusivas para todos os carros fabricados nos Estados Unidos e em muitos outros países. Estes números funcionam como se fossem a impressão digital de um carro. Eles ajudam a rastrear problemas, mudanças de propriedade e a impedir furtos. Neste artigo, vamos descobrir onde encontrar o número de identificação do veículo, o que significam os números e como usar os VINs para ajudar a evitar furtos ou conhecer o histórico de um carro usado.

Um VIN é uma seqüência de 17 caracteres que contém números e letras. Ele é fixado em todos os carros, caminhões ou trailers fabricados nos EUA desde 1981. Dentro de um período de 30 anos, não pode haver dois carros com o mesmo VIN. O banco de dados dos Registros de Veículos Motorizados (MVR) rastreia as informações de um VIN, como quando o carro foi inspecionado, quando mudou de proprietário e se ele foi envolvido em um acidente grave, capotagem ou inundação.

Em 1987, a Norma de Prevenção de Furto de Veículos Motorizados (em inglês) do Departamento de Transportes dos EUA exigiu que os fabricantes também colocassem o VIN nos componentes principais (como motores, capôs e pára-lamas) de determinados veículos se o carro for considerado de "alto furto" [ref]. (em inglês)

Na maioria dos carros, você pode encontrar o VIN no lado do motorista no painel de instrumentos e ele é visível pelo lado de fora do carro através do pára-brisa. Ele geralmente está gravado em um adesivo ou plaqueta no lado interno da porta do motorista ou na soleira do chassi no local de fechamento das portas. Algumas vezes o VIN é impresso no interior do porta-luvas e nos documentos de propriedade e/ou seguro do carro.


Imagem cedida por Ed Grabianowski
Este veículo possui o VIN no lado interno da porta do motorista

O Departamento de Transportes dos Estados Unidos (em inglês) criou um sistema VIN consistente e unificado em 1981. Especificamente, ele incluiu o sistema VIN no Código Federal de Regulamentações, Título 49, Capítulo V, Parte 565 [ref] (em inglês). Antes de 1981, os fabricantes de automóveis utilizavam seus próprios sistemas para gravar os carros com códigos de identificação exclusivos. O sistema VIN está em conformidade com um padrão desenvolvido pela Organização Internacional de Normas (ISO) (em inglês) em 1977: ISO 3779. Os fabricantes usam todas as letras e números, com exceção das letras I, O e Q.

Cada caractere em um VIN possui um significado específico e o VIN é dividido em seções. A primeira seção identifica o fabricante do veículo e usa os três primeiros dígitos:

  • o primeiro dígito identifica a nação de origem. Se o carro foi montado com peças produzidas em países diferentes, este dígito reflete a nação onde o carro foi montado. Algumas nações maiores são divididas em regiões. Por exemplo, os carros construídos no Japão são designados com um J no primeiro dígito. Mas os carros feitos nos EUA podem ter um 1, 4 ou 5, dependendo da região de sua montagem;
  • o segundo dígito identifica o fabricante do veículo. Nos Estados Unidos, a Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE) emite os códigos de fabricantes;
  • o terceiro dígito identifica uma divisão dentro do fabricante ou um tipo geral de veículo. Por exemplo, o código para um Ford fabricado nos EUA é 1F e, dependendo do tipo de veículo, poderá ser 1FA, 1FB e assim por diante. Um veículo da General Motors americana é 1G. A Chevrolet é uma divisão da GM, assim os três primeiros dígitos para um Chevrolet são 1GC.

Os cinco dígitos seguintes, de 4 a 8, descrevem o veículo. O uso específico destes dígitos difere de um fabricante para outro. Aqui está um exemplo que inclui elementos de código comuns:

  • o quarto dígito poderia conter um código que represente o peso do veículo, a potência em hp ou ambos;
  • o quinto dígito freqüentemente identifica a plataforma do veículo, como van, picape, caminhão, trailer, sedan etc;
  • o sexto dígito pode ser um código especial usado pelo fabricante ou pode identificar o modelo específico do veículo, como Corvette, Durango ou Mustang;
  • o sétimo dígito pode ser usado para identificar o tipo de carroceria, como quatro portas, duas portas, porta traseira (hatchback) ou conversível;
  • o oitavo dígito é usado para informações sobre o motor, como o número de cilindros e a cilindrada do motor.

Os dígitos 4 a 8 também podem ser codificados quanto a informações sobre a transmissão utilizada, a categoria do carro, ou seja, Accord LX, DX, Si ou outras características como cintos de segurança e air bags.

Os três dígitos seguintes são consistentes entre todos os fabricantes:

  • o nono dígito é sempre um dígito de verificação. Os outros dígitos no VIN passam por uma série de cálculos para obter o dígito de verificação correto. Isso permite que os computadores informem imediatamente se há um erro no VIN, o que acontece freqüentemente quando alguém transcreve um VIN ou o digita em um computador;
  • o dígito do ano do modelo é o décimo dígito. Cada ano possui um caractere de código. Dos anos 80 até 2000, cada ano tinha uma letra de código, com 2000 designado como Y. 2001 recebeu o código 1, 2002 é o código 2, e assim por diante;
  • o décimo primeiro dígito é o código da planta, que representa a fábrica onde o carro foi montado.  

Os últimos seis dígitos, de 12 a 17, são os números seqüenciais de produção, apesar de os pequenos fabricantes que fazem menos de 500 carros por ano usarem o 12º, 13º e 14º dígitos como códigos de identificação adicionais. Os números seqüenciais de produção identificam o veículo em si, como um tipo de número de série.

Como cada fabricante possui um código diferente e cada carro produzido pelo mesmo fabricante possui seu próprio número seqüencial de produção, todos os carros produzidos em um determinado ano possuem um VIN exclusivo. A União Européia tem uma regulamentação similar para os VINs, mas é menos restritiva que a norma americana. Os VINs europeus não precisam incluir o ano, a fábrica ou os dados de atributo dos veículos. No entanto, os dois sistemas são compatíveis. Enquanto a maioria dos países possui alguma forma de sistema VIN compatível com o sistema norte-americano, os carros importados precisam ter seus números VIN introduzidos na base de dados MVR junto com informações suficientes para explicar o que são esses códigos se o sistema de VIN original diferir da norma ISO 3779./> />/>/>

/>/>

Cálculo do dígito de verificação
O dígito de verificação para um VIN é obtido por meio de algumas etapas matemáticas. Cada letra usada em um VIN possui um valor numérico correspondente, enquanto os números permanecem os mesmos. Portanto, o VIN se torna uma seqüência de 17 números (com um espaço na nona posição do dígito de verificação). Cada posição no VIN possui um peso: o número de vezes que o dígito é multiplicado.

Por exemplo, o peso da posição um é igual a oito. Um computador multiplica o número na posição um por 8. Em seguida, ele multiplica os 16 números pelo peso apropriado para suas posições no VIN, soma os valores obtidos e divide este resultado por 11. O resto se torna o dígito de verificação. Se o resto for igual a 10, o dígito de verificação será X.

/>/>